Cognitivismo
 

Construtivismo, de Piaget

As principais indagações de Piaget e que influenciaram a construção de sua teoria da gênese do conhecimento foram:

"Como o indivíduo conhece o mundo?"

"Quais os processos de pensamento presentes no homem desde sua infância até a idade adulta?"

Ou seja, sua principal preocupação foi compreender os mecanismos utilizados por um indivíduo para a aquisição do conhecimento e saber quais deles são usados nas várias etapas da vida humana, pois só o conhecimento faz com que a pessoa se adapte ao mundo. E esta adaptação está diretamente ligada ao desenvolvimento da própria pessoa.

Segundo Piaget, o desenvolvimento cognitivo ocorre a partir da ação do sujeito sobre o meio ambiente. A partir dessa interação a pessoa constrói ou transforma estruturas mentais (esquemas) adquirindo maneiras de fazê-las funcionar. O eixo central, portanto, é a interação organismo-meio e essa interação acontece através de dois processos simultâneos: a organização interna e a adaptação ao meio, funções exercidas pelo organismo ao longo da vida.

Segundo Piaget, esquemas são estruturas intelectuais que organizam os eventos como eles são percebidos pelo organismo e classificados em grupos de acordo com características comuns. No momento do nascimento, por exemplo, os esquemas são de natureza reflexa, pois só existem atividades de sugar e pegar.

À medida em que a criança se desenvolve, os esquemas se tornam mais diferenciados, menos sensórios e mais numerosos, ou seja, já existe uma rede de esquemas mais complexa. No adulto os esquemas emergem dos esquemas da criança através da adaptação e organização. O adulto tem um vasto arranjo de esquemas comparativamente complexos que permitem um grande número de diferenciações.

Assimilação é o processo cognitivo pelo qual uma pessoa integra um novo dado perceptual, motor ou conceitual aos esquemas ou padrões de comportamento já existentes. Apesar deste processo possibilitar a ampliação dos esquemas ele não é capaz de explicar suas transformações. Portanto assimilação é o processo cognitivo capaz somente de colocar novos eventos em esquemas já existentes.

Só a partir da Acomodação pode-se criar novos esquemas ou modificar velhos. Ambas as ações resultam em uma mudança nas estruturas cognitivas ou no seu desenvolvimento. Por exemplo, quando uma criança tenta assimilar novamente um estímulo que já passou pelo processo de acomodação, a assimilação será imediata.

Assimilação seguida de Acomodação são necessárias para o crescimento e o desenvolvimento cognitivo, ou seja juntas explicam a adaptação intelectual e o desenvolvimento das estruturas cognitivas. O balanço entre as duas é conhecido como o processo de equilibração.

A construção do conhecimento ocorre quando acontecem ações físicas ou mentais sobre os objetos no meio que provocam um desequilíbrio nas estruturas cognitivas já existentes. A fim de restabelecer o equilíbrio, o sujeito é impulsionado a conhecer o novo objeto resultando nos processos de assimilação e acomodação dessas ações que promovem um novo equilíbrio a partir da transformação dos esquemas existentes ou estruturas cognitivas, originando o processo de equilibração. Essa adaptação é definida por Piaget, como o próprio desenvolvimento da inteligência.

Portanto, segundo Piaget, o desenvolvimento cognitivo é um processo contínuo de sucessivas mudanças qualitativas das estruturas cognitivas (esquemas), derivando cada estrutura e sua respectiva mudança inevitavelmente da estrutura precedente. Novos esquemas não substituem os anteriores, ou seja, eles os incorporam, resultando numa mudança qualitativa.

Piaget também deduziu a partir das observações com crianças que o desenvolvimento mental é influenciado por quatro fatores interrelacionados: maturação, experiência, interação social e equilibração.

A maturação depende fundamentalmente do amadurecimento físico especialmente do sistema nervoso central. Já a experiência está associada à manipulação, movimento e pensamento sobre objetos concretos e processos de pensamento que os envolvem. Por outro lado a interação social está representado pelo jogo, conversa e trabalho com outras pessoas, especialmente outras crianças e a equilibração é o processo de reunir maturação, experiência e socialização de modo a construir e reconstruir estruturas mentais.

A partir dos resultados de alguns experimentos que Piaget realizou, onde foram observadas várias crianças, ele pôde concluir que as pessoas pensam de forma diferente em cada etapa da vida. Diante disso ele procurou descrever essa dinâmica transformacional do pensamento, dividindo o desenvolvimento cognitivo em quatro estágios, entendidos como determinados períodos correspondentes a determinadas aquisições mentais, que indicam certas formas específicas de atuação no mundo:

1) O estágio da inteligência sensório-motor (0 a 2 anos) - o comportamento é basicamente motor. 2) O estágio do pensamento pré-operacional - (2 a 7 anos) - caracterizado pelo desenvolvimento da linguagem e outras formas de representação. (raciocínio pré-lógico ou semilógico) 3) O estágio das operações concretas (7 a 11 anos) - aplicação do pensamento lógico a problemas concretos 4) O estágio das operações formais (11 a 15 anos em diante) - aplicação do raciocínio lógico a todas as classes de problemas.

Visando facilitar a prática pedagógica, normalmente os professores consideram importantes três estágios do desenvolvimento mental:

DESCRIÇÕES:

Pensamento Intuitivo - as crianças pensam e dão explicações na base de intuições (pressentimentos) em vez de lógica. Elas ainda têm dificuldades de: * Expressar a ordem dos eventos; * Explicar relações, especialmente de causa e efeito; * Compreender com precisão o que outras pessoas falam; * Compreender e relembrar regras.

Operações Concretas- neste estágio as crianças estão desenvolvendo conceitos de número, relações, processos e assim por diante. Elas estão se tornando capazes de pensar através de problemas, mentalmente, mas sempre pensam em objetos reais (concretos), não em abstrações. No entanto já estão desenvolvendo habilidades para compreender regras.

Operações Formais- neste estágio os alunos já pensam usando abstrações, ou seja, são capazes de formular teorias sobre qualquer coisa distinta do real. Estão atingindo o nível do pensamento adulto.


Informe-se mais......

[1] Gomes, Marcia Pires Ramos de Magalhães. Psicologia Educacional. Apostila do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Atualização Pedagógica. UFRJ/CEP. 1999.

[2] http://members.tripod.com/lfcamara/piaget.html acessado em 07/05/2002

[3] http://www.uol.com.br/novaescola/index.htm?ed/139_fev01/html/repcapa - acessado em 07/05/2002.

[4] Tovar, Sonia Maria & Rosa, Marilaine Bauer Santa. Psicologia da Aprendizagem. Rio de Janeiro: CIP-Brasil. 1990.

[5] Charles, C.M. Piaget ao alcance dos professores. Rio de Janeiro: Editora Ao Livro Técnico S.A . 1993.